... may our thoughts never be against our feelings...

quinta-feira, junho 30, 2005

Conversa com o botão

Sinto-me morto…
Se bem que não sei como é estar-se morto…
Não foi por falta de tentativas, mas nunca cheguei a entender bem o que é…

Triste quando a ciência se sobrepõe à alma nestes assuntos…
sentido por I Am No One às 12:02 da tarde | |

quarta-feira, junho 29, 2005

Imensidão


Na imensidão do espaço…

Eu existo e desisto
De viver morrendo
Na profundeza do oceano
Eu espero e desespero
De sentir doendo
Na inquietude do vento
Eu sonho e anseio
Algo inexistente
Na imensa e sufocante multidão
Eu adormeço e acordo
Mais triste ainda.
Penteio o cabelo
Nas ondas do vento
E pinto-me no céu azul-cinzento
Que se cruza com o azul-flácido
Dum mar impotente.
É através do pensamento
Que tento comunicar inutilmente
Porque é o que não sinto
E o que sinto, não digo
Não falo, não ouço
Nem sequer tento.
Apenas olho a lua
Escondida pelas nuvens perdidas
Na imensidão do espaço…

Nina
sentido por Ninagasol às 1:37 da tarde | |

terça-feira, junho 28, 2005

Amar


Escrito por um grande amigo. Para ele e por ele, aqui o dedico. Obrigada M.A.


AMAR
É urgente amar.
É urgente pairar sobre o amor.
Há que destruir urgentemente
Palavras incorrectas: solidão,
Ódio e crueldade.
Ao caírem estas palavras
Facas e lanças se quebrarão.
É urgente inventar alegria,
Quadruplicar beijos,
Descobrir a proeza das flores.
Há que construir paixão
Mas não em vão.
Há que enviar a solidão
Sem remetente
Para que entre amor e paixão.
É urgente amar.
14 Maio 2005
M.A.
sentido por Ninagasol às 11:45 da manhã | |

quinta-feira, junho 23, 2005

E mesmo assim amo-te, sem saber de amor coisa alguma…

Entre caves e sótãos
Entre trevas e sóis
Entre o diabo e deus
Não quero nunca ter de te dizer adeus

E mesmo assim amo-te
A razão desaparece
As trevas cobrem-me
Sempre que te olho
Porque não sei ser feliz
Porque fujo do que sempre quis

Digo-te agora que sei
Aconteça o que acontecer
Serão estes momentos que lembrarei
Quando as trevas me ordenarem rei
E sem saber de amor coisa alguma irei
Sabendo que saudades terei
de alguém a quem uma vez me dei…
sentido por I Am No One às 10:29 da manhã | |

segunda-feira, junho 20, 2005

Dos olhos verdes, cinzentos que afinal às vezes são azuis

From the world to the dreaming fields of light
Yeah from the soaking mud
Gonna fly up to the sky
To the scarlet thing in you
On a long lost ocean wave of light
Submerged and unafraid

I saw you
You were one
I saw you
You were one

No way back to recall the way
Cause I threw out all the why's
Spinning with the spider in the cave
Found the scarlet thing in you
Where the birds can't reach
No words can teach
Spinning in the cave
For the scarlet thing in you

I saw you, you saw me

I saw you
You were the one
I saw you
You were one

Spinning in the cave
For the scarlet thing in you


Peter Murphy - "The Scarlet Thing In You"
sentido por I Am No One às 2:27 da tarde | |

quarta-feira, junho 15, 2005

Eram...


E assim chegou ela, de novo

Calma, devagar
Mas nem tempo tive de a avisar
Pois atrás veio o desejo
E na sua força, empurrou-a
Mesmo sem um beijo
Agarrou-a e abraçou-a.
E eu, sem os poder parar
Sem conseguir controlar
Aquela imponente entrada
Fiquei sem poder fazer nada
Pois vinham juntos, numa união
Eram tão simplesmente
O desejo e a paixão…

15 Junho 2005
Nina
sentido por Ninagasol às 10:47 da manhã | |

terça-feira, junho 14, 2005

Devagar elas voltam...

Era tarde e ele não conseguia dormir, vira e revira, ela acordava e ele levantou-se, foi até outra divisão, luz apagada, como gosta, sentou-se, fechou os olhos e acordou com uma valente dor de costas.
sentido por I Am No One às 10:11 da manhã | |

quarta-feira, junho 08, 2005

F... de ser


Foi tão fora do normal

Foste tão especial
Senti-te no ar que respirei
Engoli-te nas lágrimas que chorei
Porque foi tão sensual
Porque foste tão sensorial
Mas tudo tem um início
Que acaba no final.
Apenas fomos, afinal.

7 Junho 2005
Nina
sentido por Ninagasol às 2:47 da tarde | |

quinta-feira, junho 02, 2005

Eu/Ue

A hora das trevas aproxima-se, como se um vestido com um véu enorme vestisse, ela dança lá em cima tapando a pouca luz que ainda resta, os meus olhos ardem de prazer, um prazer estranho como que se ela me salvasse de morte certa, como um miúdo no momento em que adivinha que vem aí uma guloseima e…

… os sentidos aguçam-se, as capacidades exultam-se e o andar desajeitado passou para um andar calmo e eu mudei, será que mudei? Terei eu perdido a capacidade de ser na luz? Será a minha sombra mais importante que eu? Não gosto da minha sombra, assim como não gosto do meu reflexo, são verdades que sempre me acompanharam e cuja origem não questionei, afinal existem tantas coisas nas quais acreditamos sem sabermos ao certo porquê. Não me preocupa! De facto, esta minha animosidade perante o meu “alter-ego”, são feitios e os nossos “não se cruzam”…

… Já notei, por várias vezes, que me torno num predador durante as horas obscuras do dia, procuro comida para a alma, retiro dos outros vivências, expressões, sou, assim como um “vampiro de almas”, não bebo sangue das vitimas, apenas lhes retiro algo que sei não lhes fazer falta, sou cobarde talvez, nunca “ataco” alguém cuja alma eu considere forte, sou assim como que um assassino com escrúpulos, tenho normas, e acima de tudo um ódio de morte por tudo o que é estúpido e burro, e sim, para estes sou cruel, tão cruel como o espelho é para mim.
sentido por I Am No One às 11:17 da manhã | |